17.5.09



"La valse de mon âme"

Eu sou uma
a quem pertenço só metade
que entre ruídos e esquinas disfarça
desaparece

Como perfume que misturado à essência natural
se renova com o tempo passado no corpo
esvai

Tocada por melodias
Encoberta por palavras sujas
Desmascarada por si
Uma metade há
A outra só deus sabe

Parte sou que sonha acordada
desabotoa o vestido
escreve poesias
olha o vento bater
corre em direção ao silêncio
anda sobre marés de pensamentos


Parte que suspira sem tocar o chão
colore os segundos
alimenta-se das próprias angústias
morre a cada duas horas
torna-se tristeza
nua
lânguida
pesada

Destoada com a voz
pinta os olhos
inventa estórias cor de rosa
arranja medos para esconder a covardia de viver
Apenas viver

Incerta com a metade que não descobre
sacia a fome de amor com a pele branca
pêlos macios
suor salgado
Sim, leves suspiros de paixão forjada

Cai sobre sua própria alma
Dança sozinha consigo
Comigo

Fecha as pálpebras ao olhar pra dentro
reencontra-se guardada em si

E somos nós em mim.

7 comentários:

  1. Romântica hoje
    Bela poesia

    ResponderExcluir
  2. Muito boa!!
    a idéia do som foi bem legal, combina muito, gosto dessa coisa de metade. gostei da debaixo também, mas qual é a do porco espinho com frio hein rsrsr

    ResponderExcluir
  3. Oi, Jaque. Adorei ver uma música familiar no seu blog. :) A poesia tb é boa. Falta ali uma lâmpada amarela e o vinho tinto.

    ResponderExcluir
  4. Outro anônimo? Pensei que era apenas eu.

    ResponderExcluir
  5. há anonimos mais anonimos e anonimos menos anonimos.

    ResponderExcluir